Emprego no Brasil

Camisas personalizadas

Camisas personalizadas
BottomBannerArt produto ADM 2uniformes administrativos 020517BottomBannerArt produto OPERACIONAISUniformes Operacional 14

Atendimento:
WhatsApp: (31)97594-9727 Fixo:(31)3394-4542
 
A UNIFORMIG, confecciona uniformes para diversas empresas de Belo Horizonte demais cidades de toda Minas Gerais. Preocupando-se sempre com a qualidade de seus produtos, afim de proporcionar aos clientes, o que ha de melhor e mais moderno em uniformes. Garantindo-se assim, qualidade superior, durabilidade e acabamento impecável na confecção de seus uniformes e acessórios. Trabalhamos com as melhores e mais tradicionais empresas do ramo têxtil, com matéria prima exclusiva para confeccionar peças para uso no dia a dia, sem perda de qualidade.
Uniformes para empresas
Nosso processo produtivo, baseado na melhoria constante, nos garante maior eficiência na produção e personalização de cada uma de nossas peças.
Venha conferir!
Nossos produtos:
  • Uniformes escolares.
  • Uniformes administrativos: Blazer, cabã, camisas, camisetes, calças social, calças com cós duplo, calças com cós anatômico, spencer, gilete, vestidos e saias.
  • Uniformes operacionais: Avental, camisetas, camisa pólo, camisas gola pólo, camisas e malha, camisas em malha PV, calças em brim, conjuntos em brim, jaleco em brim, jaleco branco, bermudas, coletes, bonés, toucas.
  • Uniformes para empresas
 
SOLICITAR ORÇAMENTOe-mail vermalho 3 ir a loja vermelho camisa social manga curta
Evento gratuito conta história do uniforme

PUBLICIDADE

DANIELA TÓFOLILUCAS NEVES da Folha de S.Paulo
A professora Margarida Elme, 68, passou quatro anos usando a mesma saia enquanto estava na escola. Chamado de “roupa de crescimento”, seu uniforme de garota nos anos 50 era tão resistente que bastava sua mãe deixar uma barra bem comprida no avesso para ir soltando conforme ela crescia.Aluna da quinta série, Letícia Fernandes, 9, nem imagina como seria sua rotina com apenas um modelo de uniforme. Vestindo calça e casaco de moletom ontem, ela dizia que sua escola, a Carlitos, na zona oeste da capital, precisa oferecer mais opções às alunas, além do moletom, dos conjuntos de tactel, do vestido jeans e dos casacos de lã. Seu objeto de desejo é uma saia.
Divulgação
Imagem da exposição “História do Uniforme Escolar no Brasil”
Dos anos 50 para cá, mudaram a moda, os tecidos, o comportamento. Os uniformes seguiram o movimento. Da blusa de fustão (um tecido de algodão riscado) à calça de tactel, passando pelas gravatas obrigatórias até para meninas (que dona Margarida usou), o estilo das roupas vestidas por estudantes desde 1901 é a base da exposição “História do Uniforme Escolar no Brasil”, aberta a visitação no próximo dia 24, no Colégio Augusto Laranja. Com entrada franca, ela ficará na escola até o dia 28. Em maio, as 80 fotos vão para a estação Sé do metrô. Elas mostram vestidos de alças largas acompanhados por cordões com crucifixos dos anos 20 e as calças e paletós com cinturão e botas pretas dos meninos da década de 50. “Pelos retratos, percebemos tendências como comprimento e forma das saias, uso de chapéus e aventais, estilo de camisas e casacos. Até os anos 80, o uniforme sempre acompanhou as mudanças da moda”, diz Isabel Pires, coordenadora do livro que dá nome à mostra. “Depois, se tornou mero agasalho esportivo. Os alunos reclamam com razão.” A educadora Emirene Nogueira, 60, está curiosa para ver os uniformes antigos. Ex-aluna do Colégio Santa Inês, no centro, ela não gostava do seu. “Era um martírio. A gente tinha de usar blusa de manga comprida até no verão e quem fosse flagrado arregaçando-as na volta para casa levava advertência.” Para ela, o uniforme é necessário por dois fatores. “Os pais não gastam dinheiro comprando muita roupa e fica mais fácil identificar quem é da escola.” Lisandre Maria Castello Branco, da Faculdade de Educação da USP, aponta outro motivo para a necessidade do uniforme. “Ele traz uma mensagem subliminar de que somos iguais, é uma referência de coletividade.” Diretora da Carlitos, Manuela Anabuki concorda: “Se não adotássemos uniforme, isso aqui seria um inferno de competição de marcas”. Alguns educadores dizem que o uniforme pode causar uma perda de referência pessoal. Por isso acreditam que, na adolescência, quando grande parte dos valores coletivos já foi sedimentada, ele perde utilidade. “Os alunos desta idade já estão mais maduros”, diz a diretora do colégio Augusto Laranja, Rosa de Paula. “Para os que usam uniforme, as escolas tentam seguir a evolução da moda.” O estilista Jun Nakao indica como adaptar uniformes a gostos diversos. “Basta dar opções para personalizar a roupa com pequenos detalhes. Um uniforme tem de ser simples e confortável, mas permitir uma certa individualidade”, afirma. “Hoje, as roupas têm uma carência de linguagem e acabamento. As escolas ainda não perceberam como o uniforme pesa em sua imagem e na do aluno.” Se palpites estudantis influírem na modernização, o processo promete ser rápido. “Gostaria de poder usar calça jeans e short”, diz a aluna do quarto ano Diana de Oliveira, 8. “Podia ter boné da escola”, sugere Pedro Gualtiari, 10. Onde: Colégio Augusto Laranja, rua dos Chanés, 205, Moema, das 9h às 19huniformes BH : Administrativos uniformes BH : Operacionais uniformes BH : Escolares: Uniformes para empresas.
 

Comments are closed.

http://www.brazilbiz.com.br/brazilbiz/empresas/detalhes.asp?empresa=49212